terça-feira, 13 de junho de 2017

Água do São Francisco parou de seguir para a Paraíba por causa de problemas no canal em Sertânia


O serviço de conserto da parede em um trecho da transposição do São Francisco em Pernambuco pode paralisar momentaneamente o fluxo das águas na Paraíba, segundo afirmou nesta segunda-feira (12), o presidente da Agência Estadual de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), João Fernandes.

O problema com a transposição aconteceu na tarde desse sábado (10), quando um vazamento, que ocorreu próximo ao reservatório Copiti, entre Sertânia e Custódia (PE), que já foi parcialmente controlado. quando parte da parede da obra estourou e deixou uma cratera no local, interrompendo o fluxo da transposição.

Segundo João Fernandes, o Ministério da Integração Nacional afirmou que os reparos da cratera na transposição devem durar pelo menos quatro dias, tempo em que o sistema irá deixar de funcionar.

“Na hora que aconteceu o evento eles tomaram medidas imediatamente e pediram no máximo quatro dias para fazer o reparo do canal. Já foi tapado o buraco maior e estamos esperando até o fim da tarde para saber o que já fizeram. [O retorno das águas da transposição na Paraíba] deverá atrasar por conta da quantidade de dias do serviço. Se não baixar a vazão, não teremos problemas. É natural [não chegar água ao estado] porque interrompe o fluxo da água e o tempo de serviço vai ser o que perderemos de água para o açude de Boqueirão”, disse o presidente da Aesa.

Ainda segundo João Fernandes, o problema registrado na transposição do São Francisco é considerado normal.

“É normal que aconteça isso. Nós temos 217 quilômetros de obra. Não é uma dimensão pequena. O governo entregou essa obra antes do tempo; esses canais estavam prontos sem ter utilização e é natural que quando sofram esforço de muita água ele possa dar problema. Mas problema é para ser resolvido e não tenho dúvidas de que eles vão resolver”, concluiu João Fernandes.

Ex-secretário de Recursos Hídricos da Paraíba, o professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Francisco Sarmento, afirmou que, mesmo após ser inaugurada, a obra não está concluída.

“Eu estive há umas três semanas e realmente eles estão trabalhando lá com muitas máquinas. Basta circular no canteiro de obras que vai se ver que as máquinas continuam lá. A empresa construtora é quem opera o sistema. As próprias bombas também carecem de testes dos componentes. Na Paraíba, até hoje, não entrou nada mais do que 4 mil litros por segundo. Tem duas bombas instaladas, mas só podem funcionar uma por vez em função de superaquecimento nos motores. Isso é corriqueiro dentro dos sistemas, é comum”, disse o professor.

Fonte: PE noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário